Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Do ponto “G” ao ponto “O”

por Mafalda, em 27.06.14

Esta minha apetência por estudos, leva-me a descobrir cada um!
A existência do ponto “G”, mencionada pelo ginecologista alemão Ernst Gräfenberg pela primeira vez em 1050, foi agora posta em causa!

Ao que parece foi feita um estudo com base em respostas de mais de 1800 mulheres, com idades compreendidas entre os 23 e os 83 anos e todas elas gémeas idênticas ou não idênticas!?
Amigas, será que esse não é um problema das gémeas?

 

Dizem que o ponto “G” pode ser apenas um mito, estimulado pela imaginação feminina, pelas revistas e pelos terapeutas sexuais.

Finalmente, algo de proveitoso no estudo! Se foi estimulado pela imaginação do sexo feminino, ainda bem (também iria partir de quem?). Algo dizia às mulheres que a nível sexual as coisas não estava a correr bem. Eles gemiam, deleitavam-se envoltos de prazer e elas!!! Só gritavam, mas de dor, na hora de parir os filhos!

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sexo sem compromisso faz bem à saúde mental


Um estudo da Universidade de Nova Iorque, publicado no início deste mês, mostra que ter relações sexuais com alguém com quem não mantemos uma ligação duradoura não só não dá cabo da nossa auto-estima, como faz bem à saúde mental.

 

Os investigadores pediram a alunos daquele estabelecimento de ensino para, durante 12 semanas, manterem um ‘diário’ da sua vida sexual e escreverem o que sentiam após terem feito ‘casual sex’ (em português seria ‘sexo casual’ ou 'sexo sem compromisso'), lê-se no site Metro.

 

Segundos os autores do estudo, aqueles que mantinham relações sexuais deste género tinham níveis mais altos de auto-estima e de satisfação pessoal, bem como uma probabilidade mais baixa de desenvolverem problemas relacionados com depressões e ansiedade.

 

“Normalmente, os indivíduos que mantêm relações sociosexuais sem restrições sentem menos angústia e mais felicidade após as relações sexuais, o que sugere que este tipo de relacionamento pode trazer vários benefícios”, referem os investigadores. 

 

O estudo mostra ainda que não existem diferenças quanto ao género: Tantos as mulheres como os homens são adeptos desta prática.

 

Noticia publicada pelo Jornal Sol

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:




Mais sobre mim




Envia-me a tua mensagem




Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D

subscrever feeds