Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]





Do ponto “G” ao ponto “O”

por Mafalda, em 27.06.14

Esta minha apetência por estudos, leva-me a descobrir cada um!
A existência do ponto “G”, mencionada pelo ginecologista alemão Ernst Gräfenberg pela primeira vez em 1050, foi agora posta em causa!

Ao que parece foi feita um estudo com base em respostas de mais de 1800 mulheres, com idades compreendidas entre os 23 e os 83 anos e todas elas gémeas idênticas ou não idênticas!?
Amigas, será que esse não é um problema das gémeas?

 

Dizem que o ponto “G” pode ser apenas um mito, estimulado pela imaginação feminina, pelas revistas e pelos terapeutas sexuais.

Finalmente, algo de proveitoso no estudo! Se foi estimulado pela imaginação do sexo feminino, ainda bem (também iria partir de quem?). Algo dizia às mulheres que a nível sexual as coisas não estava a correr bem. Eles gemiam, deleitavam-se envoltos de prazer e elas!!! Só gritavam, mas de dor, na hora de parir os filhos!

 

Desde a descoberta de Gräfenberg que a comunidade científica tem andado com nervos nos fígados.

Se a localização efectiva do ponto “G” os incomoda tanto, que se debrucem sobre a descoberta do ponto “O”, de orgasmo. E no lugar de andar a tentar perceber se esta área na mulher se situa atrás do osso púbico, perto do canal da uretra e acessível através da parede anterior da vagina, porque não se dedicam, com as parceiras, à descoberta das fórmulas que levam ou podem levar ao orgasmo feminino?

Há quem afirme que “ fazer sexo ou masturbação, pelo menos, uma vez por semana ajuda no desenvolvimento do ponto “G” e evita doenças de pele, além de ajudar contra doenças que atacam o coração e diabetes”.

 

Acreditam que se aumentarem o número de vezes, o ponto “O” não falha, fica cada vez mais estimulado e evita muitos outros desconfortos?
As frustrações de uma mulher mal amada, o mau humor, a baixa de auto-estima, o isolamento, as discussões familiares, a perda de intimidade e cumplicidade a dois, etc, etc.

 

Esqueçam o nome do PONTO. Descubram-no, usufruam das sensações que provocam e chama-lhe o nome que quiserem.

Beijocas

 

Autoria e outros dados (tags, etc)





Mais sobre mim




Envia-me a tua mensagem




Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D